Posso ter um cão ou gato sendo uma pessoa alérgica?

Com alguns ajustes, é possível ter bichinhos de estimação e manter a saúde em dia

Ter um bichinho de estimação em casa é sempre uma alegria enorme, e a nossa obrigação como tutores é simples: oferecer conforto, ração de qualidade, higiene adequada e, claro, muito amor! 

Tudo isso é recompensado da melhor maneira possível, com uma fonte inesgotável de carinho e bons momentos. Porém, para algumas pessoas, essa troca pode ser um pouco mais desafiadora, por conta das temidas alergias. 

Não é incomum encontrar alguém que tenha um animal de estimação mesmo sofrendo com essa condição, em que o sistema imunológico reconhece os pelos, por exemplo, como um corpo estranho a ser combatido.

O resultado disso são aqueles sintomas clássicos, como espirros, tosse, coriza, olhos lacrimejando, vermelhidão, entre outros. Apesar dos pelos dos animais serem apontados como a única ou a principal causa, existem outras coisas que podem causar alergia. 

Muitas vezes, é a saliva grudada no pelo do animal que acaba causando os sintomas. Além disso, a pele ou até mesmo a urina do bichinho também podem conter alérgenos cujas proteínas desencadeiam essas reações. 

Cuidado com o excesso nas interações com o bichinho

É triste ter que se conter na hora de brincar ou fazer carinho no animal, mas quem precisa conviver com a alergia tem que maneirar. Uma forma de fazer isso é não ter contato direto do rosto com os pelos do pet, evitando dar beijinhos ou fazer carinho com o nariz. 

Outra dica é lavar bem as mãos imediatamente depois de brincar ou fazer carinho, antes que você acabe coçando os olhos ou levando a mão na boca sem se dar conta. Levar a sério esse conselho pode evitar muitas crises alérgicas. 

Imunoterapia pode ser a solução 

A imunoterapia deve ser realizada por um profissional e consiste em expor a pessoa à proteína dos alérgenos que causam os sintomas indesejados. A ideia é que, com o tempo, o organismo deixe de entender aquilo como algo a ser combatido e adquira uma tolerância àquela substância. Isso é feito através de via cutânea ou então sublingual. 

Nessa mesma lógica, a própria exposição gradual da pessoa aos pets dentro de casa, no dia a dia, pode acabar fazendo com que o sistema imunológico se acostume e deixe de combater e causar alergias.  

Manutenção dos pelos e da casa são essenciais

Uma forma de amenizar o problema é mantendo bem curtos os pelos dos animais. Mesmo o problema não estando sempre ali, eles são responsáveis por uma boa porcentagem das alergias.

Além disso, os pelos acabam carregando a poeira dos ambientes, outra substância que causa os sintomas. Mantendo os pelos curtos e o ambiente sempre muito limpo, as chances de engatilhar a alergia se tornam bem menores. 

Acostume o pet a dormir na própria caminha

Muita gente permite que os bichinhos de estimação subam na cama e até que durmam junto a noite toda, mas para quem sofre com alergia isso é totalmente desaconselhado. 

Também não se deve permitir que o animal suba no sofá e em outras superfícies com as quais você tenha contato durante bastante tempo, principalmente se forem locais em que você dorme. 

Outra dica é apostar em capas para travesseiro, sofá etc. Caso o pet entre em contato com essas superfícies, elas são mais fáceis de tirar e lavar para remover os pelos.

Viu só? Com alguns ajustes e uma certa paciência, é possível conviver com a alergia tendo animais de estimação em casa. Nesse caso, tenha atenção redobrada com a sua saúde e não deixe de fazer os exames e testes solicitados pelo seu alergologista. 

Leave a comment

Your email address will not be published.